Skip to content

Uma semana de espanto, críticas e medos

2016/11/14

 

Faz amanhã uma semana que Donald Trump foi eleito 45º presidente dos Estados Unidos da América.

Ainda na véspera, a maioria dos analistas e órgãos de comunicação (dentro e fora dos EUA) colocavam a sua oponente, Hillary Clinton, como favorita, à frente quer no voto popular quer no colégio eleitoral (assim como previam que os democratas reconquistassem a maioria pelo menos no Senado).

Essa tendência só se começou a inverter já durante as primeiras sondagens à boca da urna, e só então muitos (inclusive, ao que pareceu, pertencentes ao próprio staff de Trump) começaram a acreditar na vitória do candidato mais impreparado e com a campanha eleitoral mais racista, misógina, antissemita, isolacionista da história dos EUA, e aquele cujos aspectos da vida pessoal que vinham a público mostravam um ser abaixo de qualquer qualificação, na relação com as mulheres (conversas de balneário, gravadas – que, é certo, levantam aspectos de privacidade), com os seus subordinados, ou com as instituições (“não pagar impostos faz de mim mais esperto que os outros”).

Muita gente se tem debruçado (e continuará a debruçar) sobre o que realmente aconteceu: se foi Trump que ganhou se foi Hillary e o partido democrata que perderam (para além dos resultados efectivos e mensuráveis, bem entendido: Trump será empossado e Hillary não…)

Refiro-me evidentemente a questões como se a candidata dos democratas foi bem escolhida, se a sua campanha foi bem conduzida, etc. etc. Porque do outro lado tudo apontaria para a pior escolha, para uma campanha destrambelhada, divisionista e exclusiva, e no entanto ganhou.

Este pequeno texto faço-o apenas para meu benefício e memória futura do que publiquei no Facebook na última semana de campanha. São pequenos textos meus, sem maior conhecimento do que aquilo que ia vendo nos órgãos de comunicação social.

É visível que não nutro grandes simpatias por Hillary Clinton, mas evidentemente preferia que fosse ela a eleita no lugar de Trump.

O post seguinte foi colocado no dia 2 de Novembro, uma semana e um dia antes da eleição. Acho que estava preocupado (nota-se muito?)

O post seguinte, colocado no dia 5 de Novembro, é uma partilha do The Economist, e tem a particularidade de contrariar o excesso de confiança dos democratas, mas no caso inverso ao que ocorreu, isto é, perder o voto popular, mas esperando mesmo assim ganhar no colégio eleitoral… Surpresas, surpresas…

O post seguinte foi colocado dia 6/11, 2 dias antes da votação, e nele manifesta-se, sobrepondo-se ao cepticismo, muito wishfull thinking (“Trump pode não ganhar”…), mas sobretudo um pouco (não tudo…) do que eu acho que está errado em Hillary Clinton (e muito mais haveria a dizer, e se calhar deveria, e só não foi por qualquer preconceito politicamente correcto, por ser mulher, por ser a candidata do “lado certo”, etc. – talvez cheguemos um dia à conclusão que criticar a tempo – se bem – o nosso lado pode ser mais importante que criticar os apoiantes do outro lado).

Eu sei que o post seguinte, uma partilhe feita na véspera do dia da votação, é mauzinho. Mas eu não esqueço que Hillary, enquanto foi Secretária de Estado no primeiro mandato de Obama, encheu o departamento de neocons que vinham dos apoiantes de Bush pai e filho, incluindo a senhora Victoria Nuland, esposa de Robert Kagan, que era um dos seus ideólogos. A senhora Nuland foi a orquestradora do cerco da NATO à Rússia e do golpe de Kiev que resultou na destituição de um presidente eleito da Ucrânia (ficou famosa a sua frase “fuck the EU”, ouvida por vários jornalistas e diplomatas, quando lhe disseram que vários países da União Europeia não viam com bons olhos as provocações à Rússia). E Hillary tem responsabilidades nos campos do ISIS em que se tornaram a Líbia, o norte do Iraque e o leste da Síria. Não as responsabilidades na criação do ISIS que Trump lhe quis atribuir, no entanto: essas são todas das aventuras de Bush Jr.

Finalmente, no próprio dia da votação, a esperança de que o Al Capone tivesse razão, porque de facto este ano os Chicago Cubs lá ganharam o campeonato deles (a que chamam pomposamente “World Series”) pela primeira vez desde 1908…

 


No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: