Skip to content

Um sistema eleitoral terceiro-mundista no país mais poderoso do planeta

2008/10/26

TIME – 7 Things That Could Go Wrong on Election Day

É uma verdade lapalisseana afirmar que um processo eleitoral deve produzir resultados que estejam de acordo com a vontade dos cidadãos eleitores. Por outro lado, todos os cidadãos que, de acordo com a lei, fazem parte do universo de potenciais votantes, devem estar regularmente registados e ser reconhecidos nas urnas como tal.

Claro que sempre houve alguma tolerância (ou não, consoante quem analiza) em relação a eleições realizadas em países com fraco nível de desenvolvimento (económico, cultural e político), em democracias jovens, em países recém-saídos de conflitos ou guerras civis. O princípio base é (pelo menos do meu ponto de vista) que se aprende e melhora praticando, e que mais vale um resultado político mais ou menos enviezado do que o retorno a uma situação de conflito, com o seu cortejo de tragédias humanitárias.

Mas ninguém esperava o que se passou nos Estados Unidos nas eleições presidenciais de 2000: confusão, um sistema anacrónico e propiciador de fraudes, cadernos eleitorais mal enjorcados e à mercê da arbitrariedade das autoridades estaduais e locais, que discricionariamente “apagavam” milhares de eleitores das listas sob os mais variados pretextos, máquinas de voto pré-históricas (em que nem a leitura mais atenta dos suportes físicos permitia um consenso sobre em quem um dado eleitor tinha votado) ao lado de outras teoricamente super-modernas (as mal afamadas Diebold) que nem deixavam rasto de suporte físico, tornando impossível qualquer eventual recontagem. Como se disse na altura, pareciam as eleições no Burkina-Faso (não era necessário insultar.) Aconteceu em vários estados, mas foi mais notório e escandaloso na Flórida, governada pelo irmão de Bush Jr.
Sabe-se como acabou: os democratas e Al Gore a atirarem a toalha ao chão por esgotamento, e o Supremo Tribunal de Justiça a dar a presidência a Bush Jr.

Hoje há um acordo generalizado de que essa eleição foi roubada (e não apenas por Gore ter tido muito mais votos que Bush – isso é um resultado das regras do jogo). O mesmo aconteceu em 2004 (sendo o Ohio o estado mais em relevo) mas de forma um pouco mais sofisticada.

Mas (e estamos a 10 dias da eleição) os principais problemas permanecem, enquanto outros surgiram, como se pode ver no trabalho da TIME que linkamos acima.

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: