Skip to content

Os bébés republicanos nos EUA

2004/12/7

Com o irónico e provocador título The New-Red Diaper Babies, David Brooks publica no New York Times de hoje um elucidativo artigo sobre o que ele designa como um novo e pouco conhecido movimento em crescendo nos Estados Unidos: o "natalismo".
Contrariando a tendência geral para o decréscimo da natalidade, com as pessoas a casarem mais tarde e a terem poucos filhos, presente sobretudo nos países mais industrializados (Europa Ocidental, Canadá, e muitas regiões dos EUA), os natalistas definem a sua identidade pela paternidade, tendo três, quatro ou mais filhos. Tudo o resto (mesmo carreiras mais compensadoras em termos financeiros) é subordinado à criação e desenvolvimento dos filhos e ao fortalecimento da família. Para isso, se necessário deslocam-se dos locais que identificam com desordem, vulgaridade ou perigo, para outros que consideram mais atractivos para se criar uma família.
Tal leva a que se verifiquem grandes disparidades na natalidade através do país: as pessoas nas grandes planícies do Midwest ou do Sudoeste são muito mais férteis do que na Nova Inglaterra ou na costa do Pacífico.

Brooks chama a atenção para uma surpreendente correlação política deste fenómeno com as recentes eleições presidenciais: Bush ganhou nos 16 estados com maior taxa de fertilidade "branca", e em 25 dos 26 estados com maiores taxas de fertilidade. Kerry ganhou os 16 estados com taxas mais baixas.

Talvez a correlação não seja tão surpreendente como isso (o próprio Brooks chama a atenção para o facto de os jovens "natalistas" serem mais religiosos e frequentarem assiduamente as igrejas), mas quando se olha para o mapa eleitoral dos EUA (com as zonas pintadas a vermelho, onde Bush venceu, e as zonas azuis, de vitória Kerry), e se procura analisar apressadamente "as duas américas", é quase inevitável pensar que se pode estar perante movimentos duradouros que podem cristalisar a paisagem política americana. E com ela, o resto do mundo.

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: