Skip to content

Salvar a face em Bagdade

2003/07/23

Este o ttulo de um artigo de Fred Kaplan na Slate
(http://slate.msn.com/default.aspx?id=2085822&), datado de
18 de Julho.
Trata-se de um artigo ilustrativo da leviandade,
ingenuidade ou ligeireza com que a nica superpotncia do
planeta encarou a invaso e ocupao do Iraque, bem
manifesta no caos, insegurana e animosidade popular que
so hoje o dia a dia no pas.

J no se trata aqui da legitimidade ou no da guerra, dos
mtodos inqualificveis utilizados pelas potncias
belicistas para enganar a comunidade internacional e para
enfraquecer, tornando-as irrelevantes, as organizaes
internacionais que, mal ou bem, asseguram um mnimo de
dilogo e cooperao multilateral. A guerra fez-se, tal
como esperado foi ganha pela coligao anglo-americana. Sem
querer menorizar a tragdia que uma guerra sempre
representa, essa era a parte fcil, dado o enorme poderio
militar (e no s) de um dos lados, e a reconhecida
fraqueza das foras iraquianas do regime deposto.

No artigo, Kaplan defende (tal como, agora, muitos dos
unilateralistas de h poucos meses) que a nica soluo
um mandato da ONU, englobando foras administrativas,
militares e policiais de diferentes pases.

Como exemplo de que a administrao americana apenas
pensou com os canhes e no com a cabea, Kaplan cita o que
chama um dos mais tristes documentos em que se baseou a
estratgia americana, oriundo da U.S. Agency for
International Development e intitulado “Vision for Post-
Conflict Iraq”, 13 pginas datadas de 19 de Fevereiro de
2003, que expe, em retrospectiva, toda a ingenuidade da
administrao americana.
Para alm de criteriosos clculos sobre as percentagens de
de electricidade, gua, cuidados de sade e outros
servios que seriam restaurados em poucos dias, 60 dias e
seis meses, o memorando contm a seguinte prola: “O
governo nacional ser limitado s funes nacionais, como
a defesa e a segurana, os assuntos fiscais e monetrios,
justia, negcios estrangeiros e interesses estratgicos
como o petrleo e o gs, enquanto as assembleias locais
tratariam de todos os outros assuntos “de uma forma
aberta, transparente e fiscalizvel.”

Kaplan pergunta-se se devemos rir ou chorar com este nobre
plano de erigir as fundaes da Nova Mesopotmia atravs de
uma amlgama de Jefferson e Hamilton…

claro que a realidade actual no tem rigorosamente nada
a ver com as liberais boas intenes do documento citado.

Mas a viragem para um mandato da NATO no fcil. Ainda
segundo Kaplan, se Bush s avanar para esta soluo daqui
a seis meses, parecer uma humilhante retirada, se o fizer
agora, ainda poder parecer sbio e corajoso. Muitos dos
pases que se comprometeram a enviar tropas (e o caso mais
emblemtico o da ndia) j disseram que s o fazem sob
mandato da ONU. E no nos esqueamos dos aspectos
econmicos, pois nem todos os pases so to
desinteressados como os Estados Unidos…
Se todos os contratos de reconstruo continuarem a ir
para a Bechtel e a Halliburton, ou para suas afiliadas,
ser difcil convencer os pases mais poderosos, os nicos
que podero contribur com mais do que foras simblicas…

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: